Projeto PROVAR é destaque na mídia- Pesquisa da UFMG monitora crianças para detectar risco de doença cardíaca na fase adulta


09.04.2019

 

Por Flávia Cristini, G1 MG — Belo Horizonte

Imagem de ecocardiografia — Foto: HC/Divulgação

Imagem de ecocardiografia — Foto: HC/Divulgação

“Uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) monitorou por três anos crianças e adolescentes para identificar o risco de doenças do coração na fase adulta. O objetivo é traçar um diagnóstico precoce dos fatores que levam ao aparecimento da cardiopatia reumática, uma doença que pode levar à necessidade de transplante.

“A cardiopatia reumática é uma reação imunológica do organismo frente a infecções bacterianas, geralmente de garganta, que não foram tratadas adequadamente”, explica o cardiologia intervencionista e professor Bruno Ramos Nascimento.

A doença é autoimune. “O sistema imunológico passa a atacar a superfície das válvulas cardíacas, porque elas têm estruturas celulares parecidas com as estruturas de bactérias que causam infecção de garganta”, acrescentou.

Cerca de 12 mil crianças carentes foram monitoradas entre 2014 e 2017, e o estudo concluiu que quase 4,5% das examinadas possuem alguma característica anormal ou alterações definitivas nas válvulas cardíacas – estruturas que permite a passagem do sangue entre as cavidades do coração. Os resultados foram publicados em em março na revista Circulation Cardiovascular Imaging.

De acordo com o pesquisador, a cardiopatia reumática está associada à pobreza e à falta de acesso a serviços de saúde. Por isso, na fase de coleta de dados, uma equipe percorreu escolas de bairros de baixa renda na Região Metropolitana de Belo Horizonte e em Montes Claros (MG), no Norte de Minas.

“Segundo a pesquisa, as condições econômicas das famílias e o acesso inadequado aos serviços de saúde colaboram para o desenvolvimento dessa doença”, disse. Isso porque colaboram para a falta de tratamentos de saúde adequados.

As crianças e adolescente passaram por exame de imagem ecocardiograma – que é uma espécie de ultrassom do coração. Nascimento, que atua no Serviço de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular do HC, explica que os métodos usados permitiram o exame em larga escala e com custos reduzidos.

 Pesquisadora Lara Castro usa aparelho de ecocardiograma portátil — Foto: HC/Divulgação

Pesquisadora Lara Castro usa aparelho de ecocardiograma portátil — Foto: HC/Divulgação

Segundo ele, foi usado um equipamento portátil, que permite imagens simplificadas para a detecção inicial de alterações, e os exames foram feitos por enfermeiros e técnicos – o que é permitido em condição de pesquisa. A análise foi feita por especialistas. “Este é um modelo pioneiro no Brasil. O ecocardiograma de rastreamento ainda não era feito em campo”, disse.

As principais variáveis encontradas, que predispõem ao desenvolvimento da cardiopatia reumatológica, são: espessamento da válvula chamada mitral, movimento excessivo da extremidade desta e retorno de sangue, além de alterações da válvula aórtica.

O pesquisador afirma que a cardiopatia reumática representa cerca de 50% das cirurgias cardíacas de tórax aberto realizadas no Brasil nos pacientes do Sistema Público de Saúde (SUS). Em alguns casos, é preciso recorrer ao transplante de coração.

Pesquisadores Cássio Oliveira, Maria do Carmo Nunes e Kaciane Oliveira durante trabalho de campo em escolas. — Foto: HC/Divulgação

Pesquisadores Cássio Oliveira, Maria do Carmo Nunes e Kaciane Oliveira durante trabalho de campo em escolas.  Foto: HC/Divulgação

A expectativa é que estudos com este possam alterar esta realidade, reduzindo futuramente o percentual. Podem levar também à criação de políticas públicas que melhorem o acesso à informação e à saúde.

“Primeiro ponto é que o desenvolvimento desta lista de fatores ou variáveis nos permite identificar as crianças sob maior risco de progressão da doença. E, com isso, podemos fazer medidas de prevenção, como acompanhamento médico regular e profilaxia com antibióticos”, disse.

Agora, o grupo detectado com alterações recebe acompanhamento no Hospital das Clínicas (HC). Nascimento pondera que ainda faltam dados para estabelecer a utilidade do exame no dia a dia da medicina, mas a pesquisa valida a necessidade de um diagnóstico precoce.

“Atualmente, o SUS oferece o ecocardiograma em crianças quando o médico indica por motivo clinico, suspeita de alguma doença. Contudo, a prevenção é importante porque a doença, na fase inicial, é assintomática”, disse.”

Fonte: G1 Minas Gerais. Disponível em:<https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/04/05/pesquisa-da-ufmg-monitora-criancas-para-detectar-risco-de-doenca-cardiaca-na-fase-adulta.ghtml>. Acesso 09 Abril 2019

EnglishPortuguese
Olá, sou Ana. Em que posso ajudar?
Chat Coronavirus